• slide biblia
  • slide folhas
Imprimir

Programa incentiva 10 dias de oração e estudo sobre eventos finais

O ponto de partida dos projetos missionários adventistas mundiais é o programa especial de incentivo à oração. Na América do Sul, será de 9 a 18 de fevereiro

Brasília, DF … [ASN] Todos os anos, uma mobilização incentiva que, durante dez dias, as pessoas orem por razões específicas e estudem sobre um determinado tema bíblico. O programa 10 Dias de Oração e 10 Horas de Jejum, iniciativa da Igreja Adventista do Sétimo Dia, vai abordar nesse ano, entre 9 e 18 de fevereiro, questões relacionadas aos eventos finais apresentados na Bíblia.

O tema, de forte teor teológico, está sendo exposto de diferentes formas. Um delas é uma revista (em formato impresso e online inclusive disponível para download) onde, em cada um dos 10 dias, uma abordagem é explicada em detalhes. Foram produzidos, também, dois materiais em vídeo. Um, já tradicional, traz falas explicativas de alguns teólogos a respeito do conteúdo. Outro são as animações de até 1 minuto e meio de duração com uma linguagem mais didática a respeito de assuntos como fim do tempo da graça, selo de Deus, marca da besta, derramamento especial do Espírito Santo, entre outros.

“O nosso objetivo foi o de oferecer outros materiais de apoio a quem deseja fazer parte desse movimento de oração e estudo nesses dez dias, logo no início do ano. Entendemos que é um preparo espiritual importante para o cumprimento da missão de pregar o evangelho. E esse movimento, embora seja coordenado pelos adventistas, é aberto a quem aprecia a oração e o estudo da Palavra”, comenta o pastor Bruno Raso, vice-presidente da Igreja Adventista e coordenador do programa. [Equipe ASN, da redação]

Todas as animações e outros vídeos sobre os temas relacionados a eventos finais podem ser vistos aqui.

 

Share
Imprimir

POR QUE DEVEMOS ORGANIZAR-NOS EM PEQUENOS GRUPOS?

I. A Bíblia apresenta o pequeno grupo como uma forma efetiva de organização e administração.

1. MOISÉS, sozinho, não podia dirigir, administrar e resolver todos os problemas que se apresentava no povo de Israel. O Conselho Divino foi que deveria organizar o povo em grupos de mil, cem, cinqüenta e dez. Êxodo 18:13-27.

2. JESUS começou o estabelecimento de sua Igreja com um pequeno grupo dos doze apóstolos. Desta maneira começou a igreja cristã apostólica a expandir a mensagem de salvação. S. Mateus 10:1-4.

  A. Jesus escolheu e chamou os seus discípulos, com exceção de um.

  B. Capacitou-os na verdadeira liderança cristã.

  C. Depois de capacitá-los os enviou a cumprir a Missão Evangelizadora.

3. A igreja cristã apostólica se reunia não só no templo, mas nas casas.

4. “Diariamente perseveravam unânimes no templo, partiam pão de casa em casa, e tomava suas refeições com alegria e singeleza de coração,Louvando a Deus, e contando com a simpatia de todo o povo. Enquanto isso, acrescentava-lhes o Senhor , dia a dia os que iam sendo salvos.” – (Atos 2:46 e 47).

  A. Perseveravam unânimes no templo e nas casas.

  B. Comiam juntos com alegria e singeleza de coração.

  C. Seus cultos eram de muito gozo e de louvor ao Senhor.

  D. Como resultado, cresciam em quantidade e qualidade.

5. “Considerando ele a sua situação resolveu ir à casa de Maria, mãe de João, cognominado Marcos, onde muitas pessoas estavam congregadas e oravam.”-(Atos 12:12).

  A. Aqui encontramos os irmãos reunidos como uma família, orando pelo apóstolo Pedro.

  B. As primeiras congregações cristãs se reuniam em casas particulares.

  C. A reunião em grupos pequena os unia ainda mais, emocional, espiritual e fisicamente.

4. Nos dias dos apóstolos, as igrejas eram organizadas nas casas.
Saudai igualmente a igreja que se reúne na casa deles.”
“… e a irmã Afia, e a Arquipo, nosso companheiro de lutas, e à igreja que está em tua casa”; – (Filemon 2)
“Saudai aos irmãos de Laodicéia, e a Ninfa e à igreja que ela hospeda em sua casa”. (Colossenses 4:15)

II. Citações inspiradas que nos orientam para organizar nossas igrejas em pequenos grupos.

1. “A formação de pequenos grupos como base de esforço cristão, foi-me apresentada por Aquele que não pode errar”.(Testemunhos Seletos, vol. III pág. 84) •.

2. “Haja em toda igreja grupos bem organizados para trabalharem nas vizinhanças dessa igreja.” B (Serviço Cristão, pág. 72)

3. “Que pequenos grupos se reúnam ao anoitecer ou de manhã cedo para estudar a Bíblia por si mesmos. Tenham um período de oração a fim de que sejam fortalecidos, iluminados e santificados pelo Espírito Santo… Se fizerdes isso, vos advirá grande bênção daquele que dedicou toda Sua vida ao serviço daquele que vos remiu com sua própria vida”.(Recebereis Poder, pág. 151)

4. “Se houver grande número na igreja, os membros devem ser divididos em pequenos grupos, a fim de trabalharem não somente pelos outros membros, mas também pelos descrentes.” (Evangelismo, pág.115)

5. “Formemos em nossas igrejas grupos para o serviço. Unam-se vários membros para trabalhar como pescadores de homens. Procurem arrebatar almas, da corrupção do mundo, para a salvadora pureza do amor de Cristo”. (Test. Seletos, vol. III pág. 84).

6. “… Se há na igreja grande número de membros, convém que se organizem em pequenos grupos a fim de trabalhar, não somente pelos membros da própria igreja, mas também pelos incrédulos. Se num lugar houver apenas dois ou três que conheçam a verdade, organizem-se num grupo de obreiros.”Testemunhos Seletos, vol. III, pág. 84

7. “A apresentação de Cristo em família, junto à lareira e em pequenas reuniões em casas particulares, é muitas vezes mais bem sucedida em atrair almas para Jesus, do que sermões feitos ao ar livre, ás turbas em movimento, ou mesmo em salões ou igrejas. (Obreiros Evangélicos, pág. 193)”.

III. Resumo das razões por que devemos organizar-nos em pequenos grupos.

1. É um plano divino, está assinalado tanto no Antigo e Novo Testamentos como no Espírito de Profecia.
2. Há melhores resultados na conquista de almas para Cristo.
3. Produz reavivamento nas igrejas.
4. Os membros da igreja são confirmados na fé adventista.
5. É uma verdadeira escola na formação de líderes.
6. Cuida-se melhor do rebanho do Senhor e como resultado diminui a apostasia.

IV. É o plano de Deus para a Sua Igreja no tempo do Fim

• À medida que o plano da salvação se revelou ao longo da história humana, três acontecimentos sobressaem de todos os outros na sua importância. São eles:
1- O Êxodo.
2- O Primeiro Advento.
3- O Segundo Advento.

• Em cada uma dessas três ocasiões – o estabelecimento da nação de Israel, o estabelecimento da igreja cristã e a reunião e preparação do povo de Deus antes de se estabelecer finalmente o reino de Deus – vemos que os Pequenos Grupos foram e são ordenados por Deus para desempenharem um papel importante.

• Temos o privilegio e a responsabilidade de vivermos pouco antes do terceiro e último destes grandes acontecimentos.

• À medida que o Dia do Senhor se aproxima, podemos esperar que o Espirito Santo dirija a igreja para o crescimento numérico e espiritual com que todos temos sonhado e pelos quais temos orado.

• Os PG, usados por Deus, farão provavelmente mais do que qualquer outra coisa para nos preparar para essa experiência e nos manter unidos até que o dia do Senhor chegue.

• Que outra melhor razão do que esta poderia haver, para pedirmos a Deus que nos ajude a ver os PG como Ele os vê, que nos guie ao organiza-los e nos ajude a experimentar todo o seu potencial

 

Share
Imprimir

Mutirão de Natal

O Mutirão de Natal é um projeto social da Igreja Adventista do Sétimo Dia que primordialmente provê uma ceia de Natal digna para pessoas que vivem na pobreza e que nesta data festiva, não têm nem mesmo o básico para a sobrevivência: um prato de comida.

Entretanto, o projeto vai além da atenção para indivíduos e famílias carentes, e se sensibiliza com a situação de crianças e idosos que vivem em instituições de caridade, destinando-lhes alimentos e outros bens arrecadados.

Também, parte dos alimentos é reservada para a ADRA – Agência Adventista de Desenvolvimento e Recursos Assistenciais para a resposta às emergências e catástrofes que atingem milhares de pessoas a cada ano.

Além de alimentos, o Mutirão de Natal faz a arrecadação e distribuição de roupas, calçados e brinquedos para crianças que jamais teriam a oportunidade dessa alegria. Ainda, motiva seus participantes e colaboradores a doarem sangue e medula óssea que são vida para muitas pessoas enfermas, e os mobiliza para implementarem outros projetos sociais de desenvolvimento comunitário.

O Mutirão de Natal nos leva a olhar com amor para os que estão sofrendo na escravidão da pobreza, da miséria, da fome, do analfabetismo, da rejeição, do desamparo, da exclusão social e nos impulsiona a agirmos não somente no Natal, mas no Ano Novo, fevereiro, março,… o ano todo.

O Mutirão de Natal nos faz pensar que aqueles com quem entramos em contato nesta ocasião estão em busca não somente de uma ajuda e alegria momentânea,

mas sim de soluções duradouras, definitivas, que lhes restaurem a dignidade. Estão em busca de ferramentas que lhes deem a possibilidade de se desenvolverem como pessoas e alcançarem uma vida melhor.

O Mutirão de Natal traz esperança de que ainda existe amor genuíno, desinteressado, esperança de que ainda existem pessoas dispostas a saírem da redoma de sua própria vida para demonstrar preocupação pelos que estão ao redor, esperança de que, apesar das barreiras e desafios, é possível transformar vidas.

O Mutirão de Natal nos faz lembrar de que Aquele que nasceu e Se fez um dentre nós Se angustia com os momentos de sofrimento de cada uma de Suas criaturas, e espera que nós, que professamos ser Seus seguidores, tenhamos o mesmo sentimento e transbordemos o desejo de agir contra os frutos do pecado, utilizando nossos talentos, recursos e tempo para aliviar a carga dos outros em Seu nome.

História 

A Igreja Adventista do Sétimo Dia deseja expressar, de maneira especial, um agradecimento ao casal Marli e Sergio Azevedo.

Segundo depoimento da Sra. Marli, ao lembrar que milhares de famílias brasileiras não têm recursos mínimos para ter uma ceia de Natal, e vendo sua própria mesa farta, ela e o esposo decidiram fazer algo em favor dos necessitados. Surge então a idéia do Mutirão de Natal.

Em 1994, na Igreja Adventista de Botafogo – Rio de Janeiro, o casal, juntamente com seu pastor e a liderança jovem, desenvolveram as regras de uma gincana e a colocaram em prática com a ajuda de toda a igreja. A partir dessa iniciativa, o Mutirão de Natal passou também a ser implementado por outras igrejas, e hoje está se alastrando por todo o território da Divisão Sul-Americana da Igreja Adventista do Sétimo Dia.

Somente em 2009, foram arrecadadas 5.387,6 toneladas de alimentos, contribuindo assim para que milhares de famílias tivessem um Natal diferente, mais alegre, mais nutritivo, mais feliz. Muitas instituições assistenciais também foram beneficiadas, além de milhares de pessoas atingidas por situações de emergência que foram atendidas através da ADRA.

Por isso, nossa gratidão à Marli e ao Sergio por fazerem com que o Mutirão de Natal não seja apenas um projeto particular, ou de uma congregação, mas de todos nós.

A correria da vida muitas vezes sufoca, esfria o coração, tornando-o insensível para o que acontece ao seu redor. Entretanto, há momentos em que não importa quão duro ele esteja, somos tocados pelo amor que nos enternece, tornando-nos mais solidários, dispostos a colaborar e ajudar aos mais necessitados. Um desses momentos é justamente o Natal. Por isso, as ações deste projeto têm seu auge na época do Natal. Por isso, Mutirão de Natal.

Entretanto, o projeto não se limita a este momento. O espírito solidário e os recursos arrecadados devem perdurar durante todo o ano. Devemos estar cientes de que esta iniciativa não deve acontecer somente no Natal.

Veja o testemunho abaixo:

“Rogo a Deus para que este sentimento não seja uma coisa que aconteça só no Natal, quiçá habite o nosso coração todos os meses, todas as semanas, todos os dias. Que essa solidariedade, esse ato de amor que se dá ao próximo, seja uma coisa que se pratique ao acordar e até o momento que se vá dormir.”

Celso Freitas – Jornalista / Apresentador

Como participar?

Sou membro da igreja adventista e minha igreja está realizando o Mutirão de Natal.

 

Possivelmente sua igreja está dividida em 3 equipes. Portanto, procure o(a) Coordenador(a) do projeto em sua igreja e ele(a) dará orientações sobre em qual equipe você poderá se integrar. Então, o(a) líder da equipe poderá informar qual é a melhor maneira para você participar.

 

Sou membro da igreja adventista, mas minha igreja não está realizando o Mutirão de Natal.

Primeiro, procure saber se para este ano sua igreja vai realizar o projeto. Caso a resposta seja negativa, incentive a liderança a envolver-se com esta idéia ainda no ano em curso ou realizar preparativos para o próximo ano.

Você pode ainda montar uma equipe de voluntários e ajudar uma das equipes de uma igreja que está participando. Adquira experiência para poder ser útil quando sua igreja decidir realizar o projeto.

Sou amigo da igreja adventista e gostaria de participar.

Você não precisa ser membro da igreja adventista para fazer parte deste projeto. Você pode participar de diversas maneiras, tudo depende da forma como deseja se envolver. Primeiro, escolha uma igreja na relação das que estão participando do Mutirão de Natal e entre em contato com os organizadores do projeto. Você pode ajudar realizando doações, participando como membro de uma equipe e também formando uma equipe de voluntários para ajudar arrecadando alimentos.

Como distribuir?

A Comissão Organizadora deve fazer um plano para a distribuição dos alimentos e dos outros bens arrecadados. Deve ser feita uma pesquisa para ajudar os verdadeiramente necessitados. Isto dá trabalho, mas também dá resultados!

Para a seleção dos beneficiários deve ser tomado em conta:

1º. As necessidades da Ação Solidária Adventista (ASA) da igreja local.

É recomendável coordenar esta atividade com a ASA da sua igreja, pois esta provavelmente deve ter um cadastro de pessoas ou famílias carentes identificadas como prioritárias para assistência, devido à sua situação sócio-econômica.

Também, a ASA poderá utilizar parte dos alimentos arrecadados para promover cursos de alimentação saudável e educação nutricional, especialmente para famílias carentes com crianças menores de 5 anos, prevenindo a desnutrição.

2º. As necessidades da ADRA.

Os alimentos e outros bens serão utilizados pela ADRA em duas frentes:

  • Nos projetos de resposta a emergências e catástrofes que cada vez estão ocorrendo com maior freqüência.
  • Nos projetos de desenvolvimento comunitário para preparo da alimentação complementar oferecida, por exemplo, nos Núcleos Infantis e Centros Adventistas de Desenvolvimento Comunitário (CADECs).

 

3º. As necessidades de instituições assistenciais tais como asilos, abrigos, orfanatos, creches, etc., identificadas preferencialmente no bairro ou região onde a igreja está inserida.

Ter um plano de distribuição gera confiança, credibilidade e derruba preconceitos dos doadores. Além disso, elimina a possibilidade de que algumas pessoas pensem que só a igreja envolvida é quem recebe os benefícios. Lembre-se que cada doador confiou ao projeto um bem que ele acredita será utilizado da melhor maneira possível. Portanto, arrecadar é importante, mas distribuir corretamente é uma responsabilidade!

Devem ser estabelecidas as datas, horas e locais para as distribuições com a participação de todas as equipes e dos doadores.

Em resumo, a distribuição deve ser bem planejada, organizada e criteriosa.

Para as doações de sangue e medula óssea, a Comissão Organizadora deve contatar bancos de sangue ou hospitais e coordenar com o projeto dos jovens adventistas “Vida por Vidas”.

Share
Imprimir

Novembro Azul chama atenção da população para o câncer de próstata

Câncer de próstata é a segunda doença que mais mata homens no mundo.

  

O câncer de próstata é o segundo mais comum entre os homens no Brasil e é de olho principalmente em quem não se cuida que a campanha Novembro Azul está nas ruas. Novembro é azul mas deveria ser o ano todo. Afinal, a campanha chama a atenção para a prevenção do câncer de próstata, a segunda doença que mais mata homens no mundo.

No Brasil, o Instituto Nacional do Câncer (Inca) estima em 61 mil novos casos só esse ano. Antes uma doença de idosos, hoje esse tumor maligno atinge homens cada vez mais jovens.
Como qualquer câncer, quando detectado no início, a chance de cura é maior. Mas quando ele se espalha, o estrago costuma ser irreversível.

“O diagnóstico precoce permite para a gente, um grande leque de opções de terapia, que pode ser desde simplesmente acompanhar, observar esses doentes sem precisar fazer algum tratamento. Evitando as complicações das terapias mais agressivas, até nos casos de alto risco, a cirurgia e a radioterapia que sao os tratamentos consagrados”, contou o diretor de urologia do hospital Ac Camargo, Gustavo Guimarães.

Muitos homens ainda têm dúvida sobre qual é o exame mais eficiente para detectar a doença, se o de sangue - conhecido como PSA - ou o exame do toque. Quem responde é a estatística. Se o paciente faz apenas um desses exames, a chance de falha no diagnóstico é de 20% no PSA e de 40% no exame de toque. Mas quando os dois são feitos ao mesmo tempo, o índice de falha no diagnóstico cai para 8%.

“Os exames devem ser feitos a partir dos 45 anos de idade, mas quem tem história familiar tende a ter tumores de forma mais precoce e quem tem, portanto, um pai ou um irmão com câncer de próstata, o primeiro exame deve ser feito após os 40 anos de idade”, explicou Miguel Srougi, professor de urologia da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo.

Aos 45 anos de idade, o corretor João Batista escapou por pouco. Quando a doença foi diagnosticada, o câncer já estava avançado e quase se espalhando para outros órgãos e foi graças aos dois exames que ele pode se tratar a tempo.

“O tratamento, normalmente, quanto mais avança a enfermidade, o tratamento se torna mais pesado”, relevou João Batista Rodrigues.

O professor Miguel Srougi ressalta que uma das barreiras para a prevenção ainda é a resistência de muitos homens em fazer os exames.

“O medo de ter que revelar publicamente que ele pode ser fraco, tendo uma doença, um câncer. Esse sentimento prevalece contra o tabu, contra o toque ou o tabu contra fazer exames de prevenção”, concluiu.

 

Share

Eventos da Igreja

Contato

Igreja Adventista
Central de Niterói


Rua Coronel Gomes Machado
Nº:350 - Centro - Niterói
Rio de Janeiro, CEP: 24020-112

Telefone:
(21)-2613-0855

Rede Novo Tempo

logonovotempo